Architecture Owner

Outro dia eu estava conversando com um desenvolvedor super bom de serviço. Ele me disse que acha “waste” essa diversidade de práticas e processos de desenvolvimento ágil. Ele tem muita dificuldade em reunir e visualizar todas as práticas e métodos funcionando juntos porque veio de um contexto muito técnico onde o que tinha de ser feito era apenas escrever código e entregar o software. Ele me disse que gostaria de saber, por exemplo, o que o arquiteto de software faz. 🙂 Eu achei sensacional a duvida dele e expliquei rapidamente o papel do arquiteto, mas isso ficou na minha cabeça e resolvi fazer esse post.

O papel de arquiteto de software ágil hoje está bem mais consolidado. O Disciplined Agile Delivery define o papel do Architecture Owner e as principais responsabilidades desse papel são:

  • Guiar a criação e evolução da arquitetura da solução.
  • Mentor e o Coach dos membros do time nas práticas e questões de arquitetura.
  • Entender a direção arquitetural, os padrões da organização e garantir que o time esteja aderente à eles.
  • Garantir que o sistema será suportado de maneira fácil encorajando um design adequado e tocando as refatorações necessárias para garantir um bom design.
  • Garantir que o sistema seja testado e integrado frequentemente.
  • Tem a palavra final sobre as decisões técnicas, mas deve engajar o time nas decisões e não dita-las.
  • Lidera o esforço de visualização inicial da arquitetura.
  • Trabalhar junto ao time de arquitetura corporativa (se ele existir).

No ciclo de vida básico do DAD existe um marco específico para provar a arquitetura o mais cedo possível na fase de construção. É uma forma do arquiteto mitigar os riscos técnicos e um checkpoint de governança para sinalizar a gerência sênior e outros stakeholders as decisões e questões técnicas.

Por que você deveria considerar Microservices em um próximo projeto?

Para responder essa pergunta vou assumir que você desenvolve aplicações monolíticas. Os “monolitos” são o padrão “de fato” para a construção de aplicações de negócio hoje em dia. Você vai argumentar que as aplicações que você cria tem um alto-nível de modularização com alta-coesão e baixo acoplamento e que você desenvolve serviços e tal. Tudo bem, mas você tem de concordar que não é comum quebrar a aplicação em diversos serviços, implantáveis separadamente e manter essa prática em produção. Isso é novidade. Concorda?

Bom, se você já passou pelo desenvolvimento de uma aplicação grande em Java EE ou .NET, em algum momento já passou pelos seguintes problemas:

  •  A produtividade caiu ao longo do projeto. Sua aplicação se tornou difícil de manter a medida que a aplicação cresceu. Isso resultou em ciclos longos de build para implantar novas funcionalidades ou mesmo novos serviços, e você não conseguiu fazer muito mais rápido.
  • O deploy  era “tudo ou nada”. Os pacotes grandes forçaram a construção, testes e deploy, mesmo em uma pequena mudança. Os CRUDs, as transações mais críticas e os relatórios ficaram todos no mesmo implantável e na mesma infraestrutura;
  • A escalabilidade também foi “tudo ou nada”. Não dava para escalar apenas parte da aplicação. Até dava mas nem foi cogitado isso;
  • O Onboarding de novos desenvolvedores foi difícil. Os novos integrantes do time tiveram de baixar todo o código e aprender a lidar com a aplicação inteira.
  • O gerenciamento de dependências de código ficou complexo.
  • O projeto ficou preso a uma única opção de tecnologia.

Para atacar estes problemas os caras pensaram em modularização e particionamento da aplicação em pequenas partes que chamaram de micro-serviços. Cada micro-serviço funciona como uma aplicação independente, implantável separadamente, com interface de serviço baseada em REST agnóstica em relação à tecnologia. Isso possibilita uma liberdade de escolha de tecnologia de implementação. Com essa liberdade você pode implantar serviços em plataformas diferentes e escalar de forma independente também.

Mas não existe almoço grátis… atenção ao desempenho. Você vai ter de monitorar o tempo de resposta e o uso de recursos e é importante ficar atento desde o início. Serviços distribuídos tendem a ter problemas em função da latência, por exemplo. Atenção ao design dos serviços. Evite as dependências entre serviços e a necessidade de orquestração para conseguir que o deploy fique realmente independente, senão vai acabar tendo deploy “tudo-ou-nada” do mesmo jeito. 🙂

Mas voltando aos benefícios… outra liberdade que você tem com esse modelo é “rampar” times diferentes para cada serviço. Isso te dá a possibilidade de paralelizar ou adiar a entrada de um novo time de acordo com o melhor momento para investimento. Lembrando que a métrica do time de “2 pizzas” vale aqui e também a abordagem DevOps onde o time que desenvolve também é responsável por manter e acompanhar o serviço em produção.

As vantagens dessa abordagem estão sendo experimentadas ainda, mas resultados positivos tem sido apresentados em conferências. Acho que você deveria considerar para tornar os times mais capazes de responder rapidamente às novas necessidades de negócio. A abordagem de desenvolvimento de aplicações monolíticas gera respostas mais lentas. Microservices promete entregas mais freqüentes e mais rápidas. Isso permite feedback mais rápido dos usuários e ajustes nos investimentos por parte do time de negócios.

Microservices

Enquanto estou criando uma massa de dados resolvi escrever sobre Microservices. 

Mas por que Microservices?

Porque é o estilo arquitetural mais falado do mercado no momento e porque eu acho bem interessante. Se você perguntar para aquele seu colega early adopter ele vai dizer que já aplicou no último projeto e que já está dominando o Node.js.:)

Brincadeiras a parte, segue uma definição de elevador:

Microservices é um estilo arquitetural no qual um sistema complexo de software é formado por um ou mais serviços pequenos, chamados de micro serviços. Estes serviços tem foco restrito a uma capacidade de negócio, são fracamente acoplados e agnósticos em relação à linguagem de implementação. Cada serviço é uma aplicação que tem uma API REST bem definida. Os serviços se comunicam uns com os outros através de suas APIs. Eles são desenvolvidos e mantidos por pequenas equipes. Essas equipes geralmente aplicam práticas ágeis e ao contrário da prática normal, onde uma equipe desenvolve e outra equipe mantém a aplicação, é comum que a equipe que desenvolve também seja responsável pela operação. Nesse contexto as equipes aplicam Continuous Delivery e práticas de DevOps.

Então é isso. A massa de dados está quase pronta. Fui…